Sediado no Centro Nacional de Conservação da Baleia Franca, na Praia de Itapirubá, Imbituba, SC, desenvolvemos uma gama de atividades voltadas para a pesquisa e a conservação a longo prazo das baleias franca. Conheça algumas destas atividades.

Ciência para Conservação

Ao longo de seus trinta e cinco anos de atuação completados em 2017, o Projeto Baleia Franca ajudou a fazer história na pesquisa de grandes cetáceos no Hemisfério Sul desde o treinamento de sua equipe na Patagônia Argentina, sob a supervisão do Dr. Roger Payne, o maior especialista mundial em baleias francas até o uso, pela primeira vez no Brasil, do helicóptero como instrumento eficaz de monitoramento e obtenção de imagens de importância científica.

Através do uso da foto-identificação individual aérea das baleias, usando as calosidades existentes na cabeça dos animais como se fossem impressões digitais, o Projeto Baleia Franca, em colaboração com outros pesquisadores no Atlântico Sul, conseguiu pela primeira vez pistas claras sobre a migração reprodutiva da espécie no Atlântico Sul e a relação entre as populações brasileira e Argentina de baleias francas.

Programas de Pesquisa e Monitoramento

Para atingir seu principal objetivo, garantir a sobrevivência e a recuperação populacional da baleia franca, o Projeto Baleia Franca desenvolve uma série de programas de pesquisa e monitoramento da espécie.

Programa de Monitoramento Aéreo

O Programa de Monitoramento Aéreo do PBF é realizado no litoral centro-sul do estado de Santa Catarina e Norte do Rio Grande do Sul desde 1986. O objetivo dos sobrevôos é a realização de censo e a identificação individual das baleias francas no litoral sul do Brasil, bem como obtenção de informações sobre a ocorrência e distribuição da espécie durante seu período reprodutivo no Brasil. A partir destes sobrevoos o PBF construiu um banco de dados com informações sobre a dinâmica populacional das baleias francas em águas brasileiras. O Catálogo Brasileiro de Fotoidentificação dessas baleias, mantido pelo PBF, é um dos principais resultados e conta com cerca de 800 baleias francas catalogadas. A partir destes dados foi possível estimar que a taxa de crescimento das baleias francas no Brasil é de 12% ao ano. Uma média de 109 baleias francas frequenta o litoral sul do Brasil a cada ano, e a estimativa é de que cerca de 500 baleias francas visitem regularmente a costa brasileira.

Programa de Monitoramento Terrestre

Em 1998 o PBF estabeleceu o Programa de Monitoramento Terrestre, o primeiro monitoramento sistemático a partir de pontos fixos localizados em terra ao longo do litoral centro-sul de Santa Catarina, com o objetivo de obter informações sobre o uso de habitat e o comportamento das baleias francas na região. Face ao estabelecimento de atividades de turismo de observação embarcado de baleias francas em Santa Catarina, tornou-se necessário o desenvolvimento de um programa de monitoramento desta atividade com o intuito de avaliar possíveis impactos nas baleias francas resultantes das interações com as embarcações de turismo na APABF.

Em 2009, o PBF desenvolveu o “Programa de Monitoramento do Porto de Imbituba (SC) e adjacências”, possibilitando a execução das obras civis de ampliação dos berços de atracação de navios, as quais envolvem a cravação de estacas com consequente produção de ruído subaquático de potencial impacto às baleias francas. A implantação do programa de monitoramento proporcionou de forma inédita a integração das atividades alusivas ao desenvolvimento do Porto de Imbituba e a conservação das baleias francas na APA da Baleia Franca. Com a conclusão das obras de ampliação em 2011, o Programa deu início a um monitoramento de longo prazo. Atualmente o monitoramento faz parte do Plano de Controle Ambiental do Porto de Imbituba, com anuência da Fatma (Órgão Ambiental do Estado de Santa Catarina) e APA da Baleia Franca/ICMBio.

Programa de Monitoramento Acústico

Em 2011 o PBF realizou o projeto de pesquisa “Modificações no comportamento vocal de baleias francas austrais (Eubalaena australis) durante exposição a ruído”, em parceria com a Universidade Estadual da Pennsylvania (EUA), Universidade Federal de Santa Catarina e Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Em 2013 uma segunda etapa deste projeto foi realizada, para caracterização do comportamento vocal das baleis francas, cujos resultados estão sendo publicados em revistas científicas internacionais. Através desta pesquisa o Projeto Baleia Franca registrou de forma inédita o comportamento vocal das baleias francas durante seu período reprodutivo no Brasil. O Projeto terá uma nova etapa que iniciará na Temporada 2018, através de um projeto de Doutorado.

Programa de Monitoramento de Encalhes e Enredamentos

O Projeto Baleia Franca desenvolve o Programa de Atendimento a Encalhes e Emalhes, onde vem atuando no atendimento a eventos de encalhes e emalhes de cetáceos em parceria com as instituições que fazem parte do Protocolo de Atendimento a Encalhes e Emalhes da APA da Baleia Franca/ICMBio. O PBF faz parte, ainda, da Rede de Encalhes de Mamíferos

O registro dos encalhes pode proporcionar o conhecimento necessário para propor medidas de conservação e fornecer informações pertinentes para avaliação da taxa de mortalidade dos grupos taxonômicos, possível causa mortis e a sazonalidade. No caso de animais vivos, conforme o caso o resgate pode ser bem sucedido e resultar no retorno do animal ao mar.

Em 2012 o PBF iniciou um estudo para a avaliação do estado de saúde das baleias francas, através da coleta de borrifos, em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e Associação R3 Animal.

Desde 2015 o PBF executa o atendimento a encalhes na área da APABF através do Programa de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos – PMP-BS, uma condicionante do licenciamento ambiental do IBAMA para a produção e exploração de gás e petróleo pela Petrobras na Bacia de Santos.

O monitoramento de enredamentos ocorre a partir da obtenção de informação sobre baleias encontradas nadando, com artefatos de pesca presas sobre a cabeça, ocorrências frequentes em baleias franca. A partir da detecção de uma ocorrência, seja por informação do público em geral, de embarcações, ou pelo monitoramento aéreo, a equipe do PBF, juntamente com a APABF busca avaliar a gravidade da ocorrência, e monitorar o animal. Em casos de necessidade de remoção do artefato é acionado o Protocolo de Atendimento a Encalhes e Enredamentos da APABF.

Atuação Efetiva na Formulação de Políticas

Ao longo dos anos, o Projeto Baleia Franca vem buscando contribuir diretamente para a formulação das políticas de gestão e das normas de proteção relacionadas às baleias e seu ambiente. O Projeto colabora na formulação da política nacional de pesquisa e conservação desses animais, de diversas formas. Propôs a criação da APA da Baleia Franca/ICMBio, mantém Acordo de Cooperação Técnica para auxiliar na gestão das baleias franca, e é membro do Conselho Gestor da APABF e Coordenador da Camara Técnica de Conservação da Baleia e auxiliou na elaboração do Plano de Manejo da Unidade; realiza intercâmbio com outros projetos de conservação de baleias no Brasil e exterior; colabora com os órgãos públicos para iniciativas como a sugestão do PBF para decretar a Baleia Franca como Monumento Natural do Estado de Santa Catarina (em 1995); elaborou o Plano de Ação Nacional para a Conservação da Baleia Franca; colabora com o Centro Mamíferos Aquáticos/ICMBio e Ministério do Meio Ambiente na elaboração e atualização do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Grandes Cetáceos, com a avaliação da Lista Nacional de Espécies de Mamíferos Aquáticos Ameaçadas de Extinção, nas ações relacionadas às baleias franca na Comissão Internacional da Baleia, incluindo a Proposta de Criação do Santuário do Atlântico Sul e o Plano de Manejo e Conservação das Baleias Franca no Atlântico Sul; e apoia a Prefeitura Municipal de Imbituba, cidade-sede do Projeto e Capital Nacional da Baleia Franca, nas atividades de conscientização comunitária e divulgação das baleias enquanto Patrimônio Turístico.

Resgate da História e da Cultura

O litoral centro-sul de Santa Catarina abriga ainda testemunhos importantes do ciclo histórico da caça à baleia. Sejam ruínas da estação baleeira, objeto de um esforço de restauração e transformação em museu, ou participantes da caça ainda vivos, tratam-se de inestimáveis fragmentos da cultura regional que devem ser valorizados e resgatados do esquecimento. Só assim poderemos contar adequadamente o final feliz dessa história – de baleias caçadas a baleias preservadas, para benefício de todos.

Ossos antigos de baleias caçadas e processadas em Garopaba, descobertos apos uma ressaca em 2010

Educação e Sensibilização Públicas

O Projeto Baleia Franca, em paralelo ao trabalho de pesquisa, tem-se feito presente nas comunidades costeiras da região, com atividades regulares de educação e sensibilização, voltadas tanto para o público escolar como para lideranças e formadores de opinião, visando promover a valorização das baleias franca como patrimônio de todos. O Projeto Baleia Franca tem buscado, através de exposições educativas e participação em eventos, bem como pela celebração anual do mês da Baleia Franca, em Setembro, e o Programa de Férias com as Baleias, durante as férias de verão e inverno, atingir um número cada vez maior de pessoas com mensagens de conservação de nosso patrimônio natural marinho e costeiro.

Para saber onde estará a equipe do Projeto Baleia Franca, clique aqui e acesse nosso calendário de atividades itinerantes.