Instituto Australis

O Instituto Australis de Pesquisa e Monitoramento Ambiental é uma entidade civil sem fins lucrativos criada em 2015 para auxiliar na manutenção das atividades do Programa de Pesquisa e Conservação da Baleia Franca.

Dedicado principalmente à pesquisa científica, monitoramento e proteção da população sobrevivente de baleias-franca no Brasil, o IA atua na formulação de políticas públicas, educação e sensibilização do público para a conservação da espécie, e valorização das baleias como um patrimônio ecológico, econômico e turístico. O IA atua realizando pesquisas relacionadas à distribuição, uso de habitat, comportamento e dinâmica populacional da espécie. Além disso, promove atividades de sensibilização ambiental com o tema conservação da baleia-franca e dos oceanos.

A partir da fundação, o IA incorporou as atividades do Programa de Pesquisa e Conservação da Baleia Franca (PPCBF) criado em 1982, incluindo no seu acervo o banco de dados com informações de quase quatro décadas de monitoramento da espécie, assim como o banco de amostras de tecidos de mamíferos aquáticos proveniente dos atendimentos a encalhes.

Desde 2015 o Instituto é uma das instituições executoras Programa de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos – PMP-BS, uma condicionante do licenciamento ambiental do IBAMA para a produção e exploração de gás e petróleo pela Petrobras na Bacia de Santos.

O Instituto é dirigido por:

Diretor Administrativo: Helder Canadas (hlder.ca@gmail.com)

Diretora de Pesquisa: Karina Groch (karina@baleiafranca.org.br)

Além de sua diretoria, a equipe do IA é composta por profissionais com ampla experiência em pesquisa e monitoramento, principalmente com ênfase em mamíferos marinhos, tendo incorporado uma parte da equipe do PPCBF.

A Diretora de Pesquisa é a primeira doutora em Biologia Animal com foco em baleias do Brasil. Em 1998, desenvolveu de forma pioneira o programa de monitoramento terrestre das baleias-francas, utilizado desde então. A pesquisadora também aplicou de forma inédita métodos internacionalmente utilizados para identificação individual das baleias-francas fotografadas, através do uso de um software desenvolvido especificamente para este tipo de análise.

A equipe técnica da instituição é formada por profissionais com ampla experiência nas áreas de biologia e oceanografia incluindo pesquisas realizadas sobre distribuição e uso de habitat, modelagem espacial, parâmetros populacionais, uso de sistemas de informações geográficas, monitoramento de praias, ecologia trófica e educação ambiental. A equipe do IA faz parte de diversos fóruns de discussão para políticas públicas aplicadas aos ambientes costeiros como conselhos municipais de meio ambiente e turismo. O principal destaque é a participação no conselho gestor da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca (APABF) – Unidade de Conservação Federal gerida pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio). A atuação nesse conselho permite uma melhor interface com o poder público para gestão e ações de conservação da espécie na região.

O IA ainda atua junto ao Ministério do Meio Ambiente nas atividades relacionadas na elaboração e revisões do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Cetáceos, dos Protocolos para Atendimento as Encalhes e Emalhes de Cetáceos, e na revisão das Listas de Espécies Ameaçadas Nacional, e Estaduais do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O IA faz parte, ainda, das Redes de Atendimento a Encalhes de Mamíferos Marinhos no Brasil (REMAB).

Prêmios

Em 2017 o Instituto Australis ganhou dois prêmios em reconhecimento ao seu trabalho e ao Projeto Baleia Franca.

Troféu Onda Verde – 24ª Edição Expressão de Ecologia 2017

Em 2017 Instituto Australis recebeu o Troféu Onda Verde, pela iniciativa Projeto Baleia Franca – 35 anos de Pesquisa e Conservação. O  prêmio é uma iniciativa da Editora Expressão e é concedido durante o Fórum de Gestão Sustentável realizado anualmente na sede da Fiesc, em Florianópolis (SC). O evento reúne representantes de empresas, ONGs e setor público que se destacam em sustentabilidade na região Sul do Brasil. O Fórum de Gestão Sustentável 2017 premia empresas e instituições com representatividade no meio ambiente. http://www.expressao.com.br/noticias/materias/28-07-17-forum-de-gestao-sustentavel-2017.php Recebemos nosso troféu das mãos do Ricardo Castelli Vieira, chefe da Reserva Biológica do Arvoredo, ICMBio.

Prêmio Fritz Müller – 19ª edição

Em 2017 o Instituto também recebeu um outro reconhecimento, também com o case Projeto Baleia Franca – 35 anos de Pesquisa e Conservação, durante o Premio Fritz Muller oferecido pela FATMA (Instituto de Meio Ambiente de Santa Catarina). O Instituto recebeu o Certificado Fatma de Gestão Ambiental, na categoria Instituto de Pesquisa, por ser um projetos de destaque na área ambiental. O Prêmio leva o nome do ambientalista e padre alemão, Johann Friedrich Theodor Müller, que viveu por 45 anos em Blumenau e foi reconhecido mundialmente por seus estudos. O prêmio é destinado a quem possui iniciativas de cuidados com o meio ambiente, além do que determina a legislação ambiental.

http://sc.gov.br/index.php/noticias/temas/meio-ambiente/fatma-divulga-ganhadores-do-premio-fritz-mueller-2

 

Agradecimentos

Aproveitamos para agradecer, de forma especial, a todos que de alguma forma contribuíram ao longo dos anos de atividades, e aos jurados dos dois prêmios, por reconhecer nosso trabalho de longo prazo de pesquisa para a conservação da baleia franca austral!